I Curso de Ventilação Não-Invasiva da SPMFR

Quinta-feira, 1 de Março | Novo horário: 09.30 – 20.00

Coordenação:
Ana Rolo Duarte
Anabela Cardoso Pinto

Palestrantes:
Anabela Cardoso Pinto –  Fisiatra.   AirCare Centre (Linde Saúde)
Margarida Simões Raposo- Pneumologista – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental
Ana Soudo – Fisiatra. Hospital D. Estefânia
Ana Casimiro – Pediatra. Hospital D. Estefânia

A Ventilação Não-Invasiva (VNI) é uma técnica que consiste no suporte ventilatório através da via aérea superior, com a utilização de uma interface. A sua utilização é hoje considerada instrumental e integral na abordagem da insuficiência respiratória aguda ou crónica quer no domicílio quer no contexto de cuidados intensivos. Visa compensar de forma parcial ou mesmo totalmente os músculos respiratórios em sobrecarga ou paréticos, melhorar a função respiratória, a eficiência das trocas gasosas, a qualidade do sono e a tolerância ao exercício.

Pretende-se que os formandos ao realizarem o I Curso de Ventilação Não-Invasiva (VNI), adquiram os conhecimentos que permitam reconhecer, em adultos e crianças, a importância da permeabilidade da via aérea, saber caracterizar a falência respiratória aguda, crónica e crónica agudizada, conhecer as indicações, contraindicações e limites da VNI, adquirir conhecimento básico na adaptação e acompanhamento do doente ventilado e reconhecer e detectar sinais de alarme.

Durante esta formação com a abordagem dos aspetos teóricos, teórico-práticos e práticos, pretende-se uma aprendizagem intensiva e interativa pelo contacto direto com os equipamentos, tecnologia atual e peritos no assunto.

O Curso inclui 3 horas teóricas, 3 horas teórico-práticas e 3 horas práticas.

Programa 

SESSÕES TEÓRICAS

09.30h -09.45  Início
A equipa de suporte da ventilação domiciliária. A prestação do serviço e os cuidados respiratórios domiciliários. Anabela Cardoso Pinto

09.45 – 10.00
A Fisiologia e fisiopatologia respiratória. A mecânica ventilatória. A unidade coração-pulmão-músculo-cérebro. A insuficiência respiratória aguda e crónica. O funcionamento e informação disponível nos ventiladores. A sincronia e a assincronia. Anabela Cardoso Pinto

10.00 – 10.15
Introdução à VNI no doente neuromuscular; critérios de início, objectivos, monitorização e resultados. Anabela Cardoso Pinto

10.15 – 10.45
Introdução à VNI no doente com patologia respiratória obstructiva; critérios de início e objectivos. Importância do conforto, individualização e sincronia doente-ventilador.Margarida Simões Raposo

10.45 – 11.00 Pausa (livre)

SESSÕES PRÁTICAS

11.00 – 14.00
Os participantes serão distribuídos por três bancas a cargo da Linde, Vitalair e Praxair, dedicadas ao manejo de secreções, às interfaces e acessórios com a respectiva experiência da ventiloterapia, e dos ventiladores mais frequentemente em uso nos cuidados básicos e nos cuidados avançados com suporte de vida.

14.00 – 15.00 Intervalo para almoço (livre)

SESSÕES TEÓRICAS (continuação)

15.00 – 15.20
Selecção de modos de ventilação, parâmetros e interfaces. Novos modos de ventilação. Margarida Simões Raposo

15.20 – 15.40
Contacto com a monitorização em tempo real e com os modos e parâmetros mais importantes.Margarida Simões Raposo

15.40 – 16.10
Acompanhamento e monitorização da UCI à enfermaria e ao domicílio.Margarida Simões Raposo

16.10 – 16.30
A intervenção reabilitadora: O exercício e a VNI da UCI ao domicílio; a intensidade, duração e frequência. Anabela Cardoso Pinto

16.30 – 17.00
Particularidades e adequação da VNI na idade pediátrica. Ana Soudo, Ana Casimiro

17.00 – 17.30 Coffe break

17.30 – 17.45
Vantagens da telemonitorização no domicílio. A bidirecionalidade em tempo real ou no modelo store and forward: quando e para quem? Os módulos integrados dos dados de adesão com oximetria,e capnografia. Da telemonitorização à telereabilitação. Anabela Cardoso Pinto

17.45 – 18.00
Discussão

SESSÕES TEÓRICO-PRÁTICAS

18.00 – 19.30
Conversa partilhada com os palestrantes sobre as preocupações e inquietações no seguimento do doente ventilado.

  • 18.00 – 18.10 | Contacto com os primeiros momentos na ventilação de um doente (filme)
  • 18.10 – 18.40 | Seleção dos ventiladores e das interfaces. A humidificação, a aerossoloterapia, a oxigenoterapia e a tosse assistida
  • 18.40 – 19.10 | Monitorização do doente no domicílio. Que parâmetros avaliar e a que intervalos? Limites da VNI
  • 19.10 – 19.30 | O papel das empresas prestadoras de cuidados respiratórios domiciliários.

19.30 – 20.00
Discussão geral
Avaliação da satisfação por meio de questionário